Questões e Desafios para a Educação Profissional em Citotecnologia no Brasil.

Leandro Medrado, Simone Maia Evaristo, Renato Matos Lopes

Resumo


O citotécnico é fundamental para as políticas de controle de câncer e vem sendo alvo de diversas ações governamentais. O objetivo deste estudo é apresentar reflexões que auxiliem na compreensão sobre a natureza das atividades desse grupo, apontando questões relevantes para a sua formação. Para tal, apresentamos um histórico de como tem caminhado a Educação Profissional deste técnico no Brasil, e indicamos a necessidade de avaliar os impactos das ações governamentais sobre estes trabalhadores, principalmente no que tange às determinações do PROFAPS; sua responsabilização na emissão dos laudos técnicos; as confusões geradas pelas diversas terminologias aplicadas a esta área; a carga de trabalho excessiva e sua relação com laudos errados, e a necessidade de recertificação dos profissionais.


Texto completo:

PDF

Referências


BARCELLOS, J. M. A periodicidade do exame de Papanicolaou, a faixa etária a ser priorizada e a citopatologia e a citotecnologia. Revista Brasileira de Cancerologia, v. 35, n.1/2, 1989.

BRASIL. Casa Civil. Lei nº 12.513, de 26 de outubro de 2011.

Institui o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec); altera as Leis no 7.998, de 11 de janeiro de 1990, que regula o Programa do Seguro-Desemprego, o Abono Salarial e institui o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), no 8.212, de 24 de julho de 1991, que dispõe sobre a organização da Seguridade Social e institui Plano de Custeio, no 10.260, de 12 de julho de 2001, que dispõe sobre o Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior, e no 11.129, de 30 de junho de 2005, que institui o Programa Nacional de Inclusão de Jovens (ProJovem); e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 18 de fevereiro de 2019.

BRASIL. Casa Civil. Lei nº 13.415, de 16 de fevereiro de 2017.

Altera as Leis nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e 11.494, de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, a Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de 1943, e o Decreto-Lei no 236, de 28 de fevereiro de 1967; revoga a Lei no 11.161, de 5 de agosto de 2005; e institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. Disponível em: . Acesso em: 18 de fevereiro de 2019.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura, Conselho Federal de Educação. Parecer nº 353 de 1989. Criação das habilitações profissionais de Técnico em Registros de Saúde, Técnico em Equipamentos Médico-Hospitalares e Técnico em Citologia. Conselho Federal de Educação. Brasília, DF: MEC, 1989. Disponível em: . Acesso em: 18 de fevereiro de 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 3.189, de 18 de dezembro de 2009. Dispõe sobre as diretrizes para a implementação do Programa de Formação de Profissionais de Nível Médio para a Saúde (PROFAPS). Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 23 dez. 2009. Seção I, p. 59. Disponível em: . Acesso em: 18 de fevereiro de 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação na Saúde. Técnico em citopatologia: diretrizes e orientações para a formação. Brasília: Ministério da Saúde, 2011. Disponível em: . Acesso em: 18 de fevereiro de 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Catálogo Nacional de Cursos Técnicos. 3 Ed. 2016. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=77451-cnct-3a-edicao-pdf-1&category_slug=novembro-2017-pdf&Itemid=30192> . Acesso: 16 de abril de 2018. Acesso em: 16 de abril de 2018.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Portaria nº 397, de 09 de outubro de 2002. Aprova a Classificação Brasileira de Ocupações - CBO/2002, para uso em todo território nacional e autoriza a sua publicação. Disponível em: . Acesso em: 18 de fevereiro de 2019.

CAPUCCI, F.; GONÇALES, T.. Filosofia Sampaio Góes: IBCC 35 anos. São Paulo: Activa Comunicação, 2003.

GIRARDI, S. N. A regulação dos recursos humanos em saúde e a reforma do setor Saúde em países da América Latina. S.l.: s.n., 1999. Disponível em: . Acesso em: 18 de fevereiro de 2019.

HAKAMAL M. et al. Evaluation of screening programmes for gynaecological cancer. Br. J. Cancer, n.52, p.669-673, 1985. Apud

TEIXEIRA, L. A.; PORTO, M. A. T.; SOUZA, L. P. A. A Expansão do Rastreio do Câncer do Colo do Útero e a Formação de Citotécnicos no Brasil. PHYSIS – Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 22, n. 2, p. 713 – 731, 2012. Disponível em: . Acesso em: 18 de fevereiro de 2019.

INSTITUTO NACIONAL DO CÂNCER. Educação Profissional Técnica de Nível Médio: Formação em Citopatologia. Rio de Janeiro: INCA, 2015. Disponível em: . Acesso em: 18 de fevereiro de 2019.

INSTITUTO NACIONAL DO CÂNCER. Estimativa 2018: Incidência de Câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA, 2017. Disponível em: . Acesso em: 18 de abril de 2018.

INSTITUTO NACIONAL DO CÂNCER. Manual de Gestão da Qualidade para Laboratório de Citopatologia. Coordenação-Geral de Prevenção e Vigilância, Divisão de Detecção Precoce e Apoio à Organização de Rede. Rio de Janeiro: INCA, 2016. Disponível em: . Acesso em: 18 de fevereiro de 2019.

LAGO, T. G. Políticas nacionais de rastreamento do câncer de colo uterino: análise do período 1998-2002. Campinas: Nepo/Unicamp 2006. Disponível em: . Acesso em: 18 de fevereiro de 2019.

MEDRADO, L.; SOUZA, D. S. O Processo de Constituição Histórica e Social dos Técnicos em Histologia e seus Reflexos na Qualificação destes Trabalhadores. In ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO. Trabalhadores Técnicos em Saúde: aspectos da qualificação profissional no SUS. Rio de Janeiro: EPSJV, 2013.

PAZ, A. C. et al. Formação de Citotecnologistas – Programa e Metodologia de Ensino. Rio de Janeiro. mimeo, s.d.

PAZ, A. C.; BARCELLOS, J. M.. Concursos de Especialização em Citopatologia. Escola de Citopatologia, Centro de Pesquisas Luiza Gomes de Lemos Fundação Pioneiras Sociais. Rio de Janeiro: Oficinas Gráficas da Impressora Brasileira Ltda, 1974.

TEIXEIRA, L. A.; PORTO, M. A. T.; SOUZA, L. P. A. A Expansão do Rastreio do Câncer do Colo do Útero e a Formação de Citotécnicos no Brasil. PHYSIS – Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 22, n. 2, p. 713 – 731, 2012. Disponível em: . Acesso em: 18 de fevereiro de 2019.

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ. Instituto Politécnico Universitário. Curso de nível superior Tecnólogo em Citologia – Citotecnólogo. Disponível em: < http://portal.estacio.br/ > . Acesso em: 20 de dezembro de 2007.

ZARDO, L. et al, A História da Patologia no INCA. Revista Brasileira de Cancerologia, 2003, v. 49, n. 1, p. 59-61. Disponível em: . Acesso em: 18 de fevereiro de 2019.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Programa de Pós-graduação em Educação Profissional e Tecnológica